ღ WELCOME - Pesquise no blog ღ

Carregando...

segunda-feira, 24 de março de 2014

Dica Musical: The Shocking Miss Emerald - Acoustic Sessions


Eu pensei em fazer o primeiro post musical do ano dedicado à Caro Emerald. Para que não conhece, Caro é uma cantora de Jazz/Pop holandesa com muito estilo, atitude e uma das vozes mais suaves e lindas que eu já ouvi se tratando de jazz. Ela é um verdadeiro "achado" musical, admiro muito o trabalho dela, tanto que se deixar vou colocar todas as músicas dela na tracklist do meu blog e tumblr. Em 2013 ela lançou seu segundo álbum de estúdio, o The Shocking Miss Emerald. Um álbum recheado de música de qualidade, Caro inovou, sem fugir do seu estilo, resultado: Sucesso absoluto! Mesmo tendo sido lançando ano passado, eu não falei sobre ele nem aqui, acho digno o trabalho dessa moça então quanto mais pessoas divulgando, melhor e quem não conhece já anota aí!

Foto promocional do álbum "The Schocking Miss Emerald - 2013"
No mesmo ano ela lançou um EP com algumas canções do novo álbum em versão acústica. O presente para os fãs foi disponibilizado para download gratuito no site oficial da cantora. Foram selecionadas 6 faixas para compor o EP. No vídeo abaixo você pode conferir o áudio completo...


.... e aqui minha opinião sobre as faixas!
PS: Não sou nenhum perita em técnica vocal, só vou falar a minha opinião como fã e boa ouvinte de música, peguem leve, rs.
  1. I Belong To You: Eu confesso que gostei mais da versão acústica dessa música do que da versão de estúdio. A letra é tudo!
  2. Coming Back As Man: De longe a minha favorita desse acústico e uma das favoritas do CD de estúdio. Caro dizendo que vai voltar como um homem! rs
  3. Completely: É daqueles músicas que automaticamente nos faz lembrar de algum filme antigo de tão fofa que é! Deveria virar single, na minha opinião.
  4. Paris: A intensa Paris também é uma das minhas favoritas. Simples e com uma letra bem marcante!
  5. The Wonderful in You: Ahh, essa música deveria ser tema de filme, mas não de qualquer filme. Porque a qualidade é TOP! 
  6. Liquid Lunch: É uma das canções mais divertidas do EP e do CD normal. Caro foge totalmente às regras, além de ser uma linda pin-up plus size ela canta jazz com uma voz suave, enquanto que a maioria das cantoras possui uma voz mais pesada e emotiva, na minha humilde opinião. 
Foto promocional do álbum "The Schocking Miss Emerald - 2013"

Caro Emerald - Paris (Acustic Version)


Caro Emerald - I Belong To You (Acoustic Version)

Resumindo gente, Caro é vida! Eu recomendo que vocês ouçam todos os álbuns dela. Deixa um pouquinho de lado a sua diva pop e bora ouvir a Miss Emerald! Links para download free : Acoustic Sessions!



quarta-feira, 12 de março de 2014

Vintage Freak Show

Frances O'Connor performer, atuou no filme "Freaks" de 1932
Bom dia leitores! Esse é um tema do qual tenho interesse em falar aqui no blog já algum tempo. Eu sei, diversos blogs e sites já falaram do tema. Mas me atrevo a escrever sobre isso também. Sei que algumas vezes (senão a maioria delas) eu dou uma grande pausa entre uma matéria ou outra, mas é porque eu realmente preciso ler, estudar, pesquisar a fundo antes de vir até aqui compartilhar qualquer coisa com vocês. Então como quero falar do tema de uma forma não tão resumida, vamos entender primeiro o que é e como surgiu essa forma de entretenimento na sociedade.

Freak Show: São os famosos "Show de Horrores" ou "Show de Aberrações", mais conhecidos pelo termo em inglês Freak Show. Esse tipo de entretenimento surgiu na Inglaterra, no Século XVII, tendo como primeira atração Lazarus Colloredo. Um italiano que nasceu com uma deformidade que possui um termo científico, mas que em resumo, algumas pessoas chamam de "gêmeo parasita", pois um dos gêmeos não se desenvolveu por completo. Nesse caso era fixo no peito de Lazarus, que andava com uma capa para cobri-lo e só chamar atenção quando estivesse se apresentando. Ele fez sua aparição na corte do Rei Charles I e ganhou fama com isso. Ao longo dos séculos essa pratica continuou viva, muito viva. Alcançou popularidade e sucesso comercial nos Estados Unidos, mais precisamente durante a  Era Vitoriana à partir do ano de 1840 até os anos 70 e se espalhou por outros países na Europa. Eram shows onde exibiam seres humanos e animais como uma atração bizarra, o que despertava a curiosidade das pessoas que passou a frequentar o ambiente.



Os Artistas: Eram pessoas com deficiência física, que tinham nascido com algum tipo de deformidade genética, doença e anomalias. Essas exibições eram muito populares em Circos, feiras e Sideshow, que para quem não sabe é uma produção secundária baseada no circo. Você já deve ter ouvido falar sobre a "Mulher Barbada" ou "A Mulher Aranha", "Engolidor de Espadas", "Mulher tatuada", etc. Os principais artistas usados nesse tipo de atração eram pessoas que tinham casos de nanismo ou gigantismo, gêmeos xifópagos (popularmente conhecidos como gêmeos siameses), anões e pessoas com todo tipo de doença rara até então inexplicáveis na época. Existe uma lista com nomes de artistas famosos e muitas, muitas imagens. Separei somente algumas abaixo.

Na primeira imagem um menino conhecido como 'Garoto Lagosta" e na segunda Sophia Schultz conhecida como "A Anã Gorda"
Na primeira imagem o garoto Russo Jo-Jo, conhecido como o "Menino cão", na segunda Gêmeas Siamesas!
Charles Eisenmann (05/10/1855 - 08/12/1927) Foi um famoso fotógrafo Alemão que construiu sua carreira em Nova York. Ele descobriu um estranho fascínio da sociedade Vitoriana por "artistas freak" e começou a reproduzir fotos desses artistas, sempre caracterizados em suas imagens com adereços circenses. Ele vendia as fotografias como Cartões Postais (Vintage Postcard). Possuía um imenso acervo de imagens de pessoas com deformidade física que fez ao longo da vida. Grande parte foi descoberta e leiloada no início dos anos 90. Vejamos algumas imagens de artistas mais famosos abaixo fotografados por Charles, lembrando que são muitas imagens então separei somente algumas:


Ella Harper, conhecida como "Mulher Camelo" estrela de Espetáculos SideShow
Frank Lentini era uma atração por ter nascido com três pernas. Sua imagem aparece no verso do álbum do Alice in Chains!
Fanny Mills tinha uma doença que causava inchaço nas pernas fazendo com que ela possuísse pés gigantes. É conhecida como "A Pé Grande de Ohio"
Myrtle Corbin tinha quatro pernas e duas vaginas. Se casou e teve cinco filhos!
A Realidade, Bastidores do Show: Ser considerado uma "Aberração" obviamente não era fácil. Mesmo assim essas pessoas tinham que buscar o seu próprio sustendo e da melhor forma possível. Muitas se tornaram grandes atrações do Show de Horrores, não só pelo aspecto físico, mas também porque tinham talento para alguma coisa como interpretação por exemplo. O público que frequentava os Sideshows eram pessoas de classes mais baixas, que enxergavam tudo simplesmente como um espetáculo e sim, se divertiam muito com isso. Imagine todo o preconceito e o sofrimento que esses artistas sofreram. Houve casos em que eles haviam sido vendidos por seus próprios pais ou familiares aos empreendedores do Circo de Horrores. As pessoas com deficiência física também eram abandonas e se juntavam à esses espetáculos para sobreviver e ao menos ter onde morar, sendo sujeitos a todo o tipo de humilhação e maus tratos. Fora a exposição que sofriam diante da sociedade.

Posters de Circo e atrações Freak, sendo o último da Era Vitoriana
Estrelas do Vaudeville: As gêmeas siamesas Daisy e Violet Hilton foram uma grande atração durante a década de 30. Elas nasceram na Inglaterra em 1908 e foram vendidas pela própria mãe para Mary Hilton e submetidas a tratamento rigoroso e abuso físico. Ensaiavam diariamente dança e canto. Inicialmente se apresentavam como  "The United Twins". Durante o tempo em que estiveram sobre controle de Mary Hilton e sua família todo dinheiro que ganhavam nas apresentações em "SideShow" ficava sob posse da família de Mary. Isso durou até anos mais tarde com a morte de Mary, as Irmãs entraram com um processo por danos do qual saíram ganhando. A partir daí as gêmeas passaram a se apresentar em teatros Vaudeville e mais tarde em 1932 participaram do filme "Freaks" interpretando elas mesmas. Elas tentaram se casar, mas foram proibidas. Faleceram em 1969 vítimas da gripe Hong Kong, com uma diferença de horas entre uma e outra. Em 1989 foi criado um musical baseado na vida delas o "Twenty Fingers Twenty Toes" e "SideShow" de 1997.

As irmãs siamesas Daisy e Violet Hilton
Filme "Freaks" (1932): Na época o filme Frankesntein havia abalado o público se tornando um grande sucesso. Foi assim que surgiu a ideia do polêmico filme Freaks em português Monstros! Dirigido por Tod Browning, conta a história de uma trapezista (Cleópatra) que tem um caso com o fortão do circo (Hércules), mas que seduz e casa com um anão, herdeiro de uma grande fortuna. NO circo também trabalham diversos artistas "Freak" que são pessoas boas. Ela é aceita por eles quando se casa com o anão. Em uma das cenas que mais me comoveram eles cantam: "We accept you, one of us". Mas ela, bêbada logo revela sua verdadeira face demonstrando seu ódio por todos eles durante a cerimônia de casamento, expulsando-os e ofendendo eles. O anão se arrepende do erro que cometeu e no final eles planejam uma vingança.

Poster do filme "Freaks"
Curiosidades sobre o Filme: O filme é tão real que no elenco estão pessoas com deficiência física, que inclusive sofreram a reprovação da produção e do elenco "normal" do filme, que não queriam trabalhar com eles. O filme, que estava totalmente fora dos padrões morais Norte Americanos chegou a ser censurado, sendo reapresentado ao público algumas décadas depois. As pessoas se chocavam em ver outras pessoas deformes, sem braços ou pernas. Era realmente uma imagem perturbadora. Na minha opinião é um filme totalmente à frente de seu tempo, que desafiou os padrões daquela época e ainda é impactante nos dias de hoje. Mesmo assim levando em conta não só a época, mas também o fato de que a maioria deles não eram atores de verdade, na minha visão eles fizeram um trabalho brilhante! O filme teve reações e opiniões diversas da crítica que o considerou sensacionalista, e claro o público que na época reprovou a película. Mas o que temos aqui é o real retrato da sociedade, onde os únicos Monstros de fato são a Cleópatra e o seu amante Hércules. Eu assisti e recomendo para todos os amantes de filmes antigos e cinéfilos de plantão, mas aviso que é um filme com conteúdo muito forte, porém emocionante e nos faz refletir sobre muitas coisas na vida. Assistam!

Elenco do filme "Freaks"

Filme completo com Áudio Original (Eu não consegui achar Legendado, se alguém tiver deixe o link nos comentários! ;)

O Objetivo desse post não é ridicularizar nem debochar de ninguém e eu sei que meus leitores não farão piadas sobre eles, como eu já vi fazerem em outros lugares. Pode parecer um pouco perturbador eu sei, mas esse é um espaço onde compartilho não só do que gosto ou o que acho bonitinho, mas também serve para expor curiosidades e assuntos que chamam a minha atenção. E se você é como eu e gosta de ir a fundo em tudo que é do seu interesse, eu recomendo um ótimo documentário da HBO chamado "Some Call Them Freaks" lá vai: [PART 1, PART 2, PART 3, PART 4] Fala diversas histórias reais, como o caso dos irmãos siameses mais famosos Chang e Eng Bunker que tiveram sim uma vida normal, se casam e tiverem juntos 21 filhos, permaneceram unidos até o fim de suas vidas. Também conta o caso das irmãs Daisy e Violet Hilton que mencionei acima, no vídeo inclusive vocês podem ouvir elas duas cantando.  Por ser um documentário antigo e considerado raro não existe uma legenda e ele está com o áudio original.  Mas fica a dica para darem mais uma olhada por aí, pois existem outros documentários além desse.

Quando eu estava pesquisando, me lembrei que a um tempo atrás eu vi uma série de TV, que no episódio que vi, mostrava pessoas nos dias de hoje trabalhando em espetáculos de Freakshow. Procurei muito, mas como a minha memória não me ajudou, talvez vocês possam me ajuda se já tiverem visto algo assim em alguma série de TV. Vamos lá gente, comentem!


segunda-feira, 3 de março de 2014

Dica Musical: The Lounge Kittens


O que está tocando na minha vitrola nesse exato momento, ou melhor, na vitrola da minha avó? Vocês sabem que eu sempre gostei de apresentar bandas e grupos que descubro assim, no melhor estilo: "Oops, foi sem querer!". Foi o mesmo que aconteceu quando conheci The Puppini Sisters lendo um editorial da revista Vogue Brasil. E através das Puppinis eu conheci o The Baseballs. Porque eu estava pesquisando elas, e eles apareceram constantemente nas minhas pesquisas, de novo e de novo! Ok era o destino nos encontrarmos ;) E agora pesquisando outras coisas eu descobri essas meninas!


Elas tem como base e inspiração o mesmo estilo das lendárias The Andrews Sisters. Mas essas meninas tem algo diferente. The Lounge Kittens é um grupo novo, muito novo (gosto assim, quando pego as bandas bem no início) formado por Jenny Deacon, Timia Gwendoline Zan Lawther. Elas são de Southampton (UK) e segundo elas, o grupo foi elaborado em 2012 após uma noite de bebedeira. Daí você já pode imaginar o que vem a seguir: Três garotas engraçadas, afinadíssimas e super talentosas. Eu sei, covers de músicas atuais com um estilo retrô não é mais nenhuma novidade, mas quando eu iria imaginar que iria ouvir três ladies cantando "...So where the F*** you at punk? Shut the F*** up And back the F*** up. Before we F*** this track up" e ainda assim soar tão bem? Se você não reconheceu a letra, confira abaixo a cover que elas fizeram para a famosa música "Rollin" da banda Limp Bizkit. Simplesmente fantástica!


Releitura: Não sei se vocês se lembram, mas no videoclip da música original tinha algumas garotas vestidas de Fred Durst. As Lougue Kittens fizeram sua própria releitura. Amei! ^^
O grupo já está na estrada fazendo vários shows e recebendo críticas positivas. Fiquei até aqui, imaginando elas dividindo o palco ou saindo em tour com os meus meninos. Vocês podem ouvir outras músicas do grupo pelo soundclound oficialE aí, gostou?? Visitem o Facebook e Twitter Oficial das Kittens! Essa foi a minha dica musical da semana, espero que tenham gostado. Eu aceito recomendações, se você conhece alguma banda ou grupo e acha que é vintagepri style coloca o nome aí nos comentários e farei uma pesquisa básica! PS: Todas as imagens que utilizei no post foram retiradas do facebook oficial delas! 
... Boa semana meus queridos!


sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Série Follies: Josephine Baker, a Pérola Negra!

Eu realmente não sei o que aconteceu com o meu primeiro post sobre a Josephine Baker que fiz a uns anos atrás aqui no blog. Não sei se em meio aos meus backups eu tenha acidentalmente excluído. Mas já que estou desenvolvendo a Série Follies, vou falar mais uma vez sobre essa estrela que é uma das minhas favoritas. Mesmo não tendo participado do Ziegfeld Follies foi uma grande estrela do Follies Bergère na França, o mesmo que serviu de inspiração na criação da famosa produção teatral Norte Americana.

Freda Josephine McDonald nasceu em 3 de Junho de 1906. A nossa Josephine Baker foi uma notável atriz, vedete, dançarina e cantora, que iniciou sua bem sucedida carreira durante os anos 20. Josephine era dotada de uma beleza exótica e extremamente sensual. Ela era afrodescendente e embora exista algumas controvérsias quanto a origem do seu pai, ela acreditava que ele era  um homem branco. Ela também possuía descendência indígena. Durante seus anos de carreira nos palco ela recebeu diversos apelidos: Pérola Negra (meu favorito)Deusa Crioula, Vênus Negra, Deusa de Ébano!

Aviso: Este Post está cheio de belas imagens em collages que fiz da Minha Estrela Negra favorita. A little Spamming never kill nobody ;)


Ela se naturalizou Francesa em 1937 e foi a primeira grande estrela negra a ter sucesso no mundo do entretenimento. Na infância passou por necessidades. Aos 8 anos de idade chegou a trabalhar em casa de família onde foi agredida fisicamente pela patroa. Aos 12 anos ela se torna uma criança de rua, revirava latas de lixo para se sustentar. Aprendeu a dançar nas ruas e foi justamente sua dança "estranha" que chamou atenção da St. Louis Chorus vaudeville, uma companhia de dança da qual ela se uniu quando tinha 15 anos de idade.

Josephine em 3 momentos: Usando vestido com estampa de leopardo. Agradeça a ela por ter lançado a moda; Segunda foto se preparando para o Show e terceira já no palco!
Carreira: Sua carreira começou a decolar quando foi trabalhar em Paris. O foco de suas apresentações era sua dança um charleston ((famosa dança com base musical no Jazz muito popular durante os anos 20) puro que aprendeu nas ruas. E o fato de que ela subia ao palco praticamente nua. Ela fez uma bem sucedida tour por outros países da Europa e depois voltou para a França e assinou um contrato com a Follies Bergère. Seu sucesso começou na mesma época em que a Art Déco estava expandindo, o quê fez com que as pessoas se interessasse por uma forma de Arte ocidental, que incluía a Cultura Africana, foi um período do qual os negros começavam a desenvolver um papel importante como artistas nos palcos. Ela foi a artista Americana mais bem sucedida na França. Ernest Hemingway (célebre escritor Norte Americano) se referiu à Josephine como "A mulher mais sensacional que alguém já viu". Josephine fazia uma combinação de dança com movimentos que ela mesma criou. Sua famosa "Saia de Banana" adereço para a execução da "Dança da Banana" se tornou febre e sua própria marca.

 Josephine dançando o Charleston Original na segunda foto!
Divando: Josephine e seu guepardo de estimação chamado Chiquita
No palco ela era ao mesmo tempo sensual e muito engraçada, fazendo caras e bocas a todo momento. Arrancando suspiros e gargalhadas da platéia. Chamou a atenção de muitos e serviu de inspiração para vários artistas da época. Sua lista de admiradores era extensa e tinha nomes como os de  Pablo Picasso e Alexander Calder. Ela não chegou a ter a mesma fama e sucesso nos Estados Unidos da forma que teve na Europa. Chegou a ser cogitada para se tornar uma das grandes estrelas do Ziegfeld Follies, mas foi rejeitada pelo público Norte Americano que não gostou nada da ideia de ter uma mulher negra fazendo parte do espetáculo que era febre na época. Josephine ficou muito magoada pela forma como a tratavam em seu pais de origem. A França amava Josephine e ela aprendeu a amar a França, não tendo nenhuma dificuldade ou dúvidas quanto ao se naturalizar Francesa. Se casou com um Francês Jean Lion (seu primeiro marido de um total de quatro matrimônios, sem contar os amantes) em Crèvecœur-le-Grand e a cerimônia foi presidida pelo prefeito da cidade. À partir da década de 30 Josephine começa a estudar e se dedicar com mais um de seus talentos, o canto. Sendo sua canção de maior sucesso a "J'ai deux amours" de 1931. Em 1934 ela participou da Ópera "La créole"! E sua carreira vai muito além dos palcos, filmografia: La Sirène des tropiques/Siren of the Tropics(1927); Zouzou (1934); Princesse Tam Tam (1935); Moulin Rouge (1941), Fausse alerte/ The French Way, (1945) An jedem Finger zehn/ Ten on Every Finger (1954); Carosello del varietà (1955) e Grüsse aus Zürich - TV (1963)

Nossa Black Pearl ainda conseguia ser engraçada!
A Vênus Negra no Brasil: Josephine Baker esteve no Brasil pela primeira vez em 1929. Ela veio para uma apresentação especial no Teatro Cassino, no Rio de Janeiro. Ela voltou em 1952 e contracenou com Grande Otelo no show "Casamento de Preto", onde cantava em português "Boneca de Piche" . Em 1963 fez uma temporada de shows no Copacabana Palace e apresentou-se no Teatro Record, em São Paulo. Sua última visita ao Brasil foi em 1971 onde esteve no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e em Porto Alegre. É, ela gostava daqui! :)


Esse vídeo contém cenas da Josephine dançando em 1927, mas a trilha sonora é a própria cantando "O que que a baiana tem" gravado em 1949!

Outfit da Dança da Banana, sua marca registrada: Josephine retrata em dois Posters e na imagem central, sua estátua no famoso museu Madame Tussauds


Josephine e sua original e escandalosa Dança da Banana
Causas Sociais e Legado: Durante toda a sua vida Josephine sempre esteve engajada em causas sociais, sobre tudo as que tinham como intuito a emancipação e luta dos direitos dos negros, chegando a apoiar Martin Luther King. Antes disso ela atuou como espiã da resistência durante a Segunda Guerra Mundial. Trabalhou em Associações e o melhor é que teve reconhecimentos e honras pelas suas ações. Ela chegou a adotar 12 crianças de diferentes etnias da qual chamava de "Tribo Arco-Íris". Durante os anos 60 ela teve dificuldades financeiras e ganhou da princesa Grace um apartamento em Roquebrune perto de Mônaco. Em 1968, com o apoio da princesa Grace ela volta aos palcos e se apresenta no Olympia em Paris. Um de seus últimos concertos estava lotado, todos queriam ver de perto a Pérola Negra de volta aos palcos. Sua festa de comemoração dos 50 anos de carreira contou com a presença de nomes como Sophia Loren , Mick Jagger, Shirley Bassey , Diana Ross e Liza Minnelli. Quatro dias depois ela é encontrada dormindo em sua cama, rodeada de jornais e revistas falando sobre seu bom desempenho nos palcos. Ela ficou em coma após um derrame cerebral, chegou a ser internada, mas faleceu em 12 de Abril de 1975 aos 68 anos. Ela recebeu honras militares Francesas em seu funeral, jamais concedidas a nenhuma outra mulher Americana. 

Musa Inspiradora: Estou falando da Josephine, óbvio! Serviu de inspiração em para a coreografia e roupa apresentado por Beyoncé  que já se inspirou nela em diversos momentos de sua carreira.
Josephine nos anos 20 e 60. Sempre linda!
Até hoje Josephine é referência e inspiração para muitos artistas, muitas pessoas não tem noção do quão importante ela ainda é. Ela deu o primeiro grande passo e abriu a porta para outras estrelas negras e não é a toa que hoje em dia cantoras como Beyoncé e Rihanna se inspirem nela. Sem contar que graças a ela, a moda da estampa de leopardo pegou! Em 1991 a HBO fez um documentário sobre sua vida, o filme The Josephine Baker Story. Sinceramente ainda não tive a oportunidade de ver o documentário completo, só algumas cenas, então não posso dizer minha opinião. Mas isso está na minha lista de prioridades, procurar e assistir. Deixo abaixo a apresentação da Josephine no O'lympia em Paris (sorte de quem esteve lá). Sem dúvidas uma grande atriz, uma grande dançarina, cantora e principalmente uma mulher com um coração especial. Ela merece ser lembrada para sempre! E desculpe pelo post extenso, tenho tendência a escrever muito se eu estiver falando de uma pessoa que admiro muito. Algumas referencias como datas e nomes foram retirados da Wikpédia! Espero que tenham gostado, comentem! 



segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

The Baseballs: Quanto mais quente, melhor!


Boa tarde leitores! Se você é fã dessa banda assim como eu saiba que nós fãs, só temos motivos para comemorar. The Baseballs are Back! Sim, eles estão de volta! Eu sempre falei deles aqui no meu blog, então nada mais justo do que falar sobre o novo álbum, certo? Pois bem, a quatro anos atrás eu estava enlouquecida e radiante com a descoberta que tinha feito sem querer. Uma banda atual fazendo com que "músicas" até então insuportáveis, se tornasse algo audível e com qualidade. Tudo por conta de sua fórmula mágica que tem como base o bom e velho Rock 'n' Roll. Sem contar o talento, criatividade e humildade desses três meninos da Alemanha.

Cover do álbum GAME DAY, que será lançado no dia 28 de Março.... #AnsiedadeModeOn!

Em 2014, The Baseballs vão nos presentear com o álbum GAME DAY. Um álbum muito aguardado pelos seus fãs que estão ansiosos para ouvir mais canções originais da banda, pois acima de tudo essa é a proposta do novo trabalho. Eles estão preparados para o jogo! E ainda teremos canções "Rockabillyzadas" no novo CD. E para deixar os fãs ainda mais ansiosos e querendo que 28 de Março (data do lançamento do álbum) chegue logo, semana passada eles liberaram um Lyric Vídeo super criativo inspirado nos retro press e retro newspaper dos anos 50/60 para divulgar seu novo single, Mo Hotta Mo Betta, que é nada mais que "More Hotter More Better" abreviado. O melhor de tudo é que essa é uma canção ORIGINAL da banda. Incrível e totalmente viciante! Confira abaixo:

HOT Baseballs, yeah!


É melhor eu parar por aqui. Se tem um assunto que eu poderia falar sem limite de carácteres é The Baseballs. Amo eles, não é de agora. E tenho os meus motivos para amar ainda mais. Pena que a gravadora deles aqui no Brasil simplesmente os ignore. Se mais pessoas começarem a pedir para a gravadora deles como alguns fãs e fanpages fazem por aí, talvez agente tenha não só os CD's lançados aqui, mas também um show da banda no Brasil, portanto fica a dica povo ;) ... Prometo falar mais do novo álbum assim que for lançado. Para maiores informações e novidades sobre a banda eu recomendo que vocês visitem as fanpages deles no Brasil, de onde retirei referências e imagens para esse post, The Baseballs Brazil Fans e The Baseballs Brazil.

bye, bye, bye!


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Série Follies: The Dolly Sisters

Nota: Primeiro post da Série Follies, dedicado a falar de individualmente sobr as maiores estrelas do Ziegfeld Follies. Eu publiquei esse mesmo post no meu tumblr um tempo atrás e decidi publicar aqui no meu blog com mais informações.
The Dolly Sisters! Assim eram chamadas as irmãs gêmeas Rosie e Jenny (Roszika e Janszieka Dolly). Nasceram na Hungria em 1892 e imigraram para os Estados Unidos em 1905. A beleza, talento e capacidade de dançar e atuar em perfeita sincronia tornaram as Dolly Sisters famosas em salões vaudeville e teatros burlescos por toda a Europa durante os loucos anos 20. Iniciaram sua carreira ainda se apresentado em pequenos bares até assinarem um contrato e fazerem parte do Ziegfeld Follies em 1911 e assim como todas as coristas que trabalharam no teatro também foram atração por lá. Tiveram uma carreira bem sucedida com muito dinheiro, jazz, glamour, jóias e muitos amantes também. Podiam ser vistas andando pelas ruas de Paris, sempre bem acompanhadas. O que elas ganhavam em uma noite de espetáculo foi o suficiente para Jenny começar a  investir em jóias.

Rosie e Jenny foram uma das grandes atrações do Ziegfeld Follies durante a década de 20.
Até hoje ninguém sabe dizer qual delas é a Jenny e qual é a Rosie! Qual é o seu palpite?


Fora dos palcos a vida das Irmãs Dolly estava sempre nas páginas de fofoca. Jenny viria a sofrer um grave acidente de carro, o que fez com que seu lindo rosto ficasse deformado e nem mesmo tantas cirurgias plásticas e jóias vendidas foram necessário para que Jenny tivesse sua beleza de volta, o que fez com que ela caísse em uma profunda depressão. Em 1941 Jenny se enforcou no chuveiro de um quarto de hotel.  Em 1945, chega nos cinemas a histórias das Dolly Sisters, em forma de um musical interpretado por June Haver e Betty Grable (The Dolly Sisters, 1945) Rose tentaria anos mais tarde fazer o mesmo que sua irmã, cometer suicídio. Porém não teve sucesso e veio a falecer em 1970.

Famosas: Dolly Sisters em aparições em público!
 Primeira foto sendo fotografadas pela lente de Alfred Cheney Johnston, o fotógrafo oficial das Ziegfeld Girls. Segunda foto As Irmãs se apresentando no palco.

Dentre tantas estrelas do Ziegfeld Follies, as Dolly Sisters foram uma das artistas que por lá passaram que mais me chamou atenção e despertou curiosidade, ainda mais quando li um pequeno artigo em uma revista. Interessante ver que até hoje são citadas, ainda são referência quando falamos em Jazz, anos 20, follies, mulheres nos palcos. Gosto de lembrar do que eles foram nos palcos e recomendo o musical sobre sua biografia. ;)


Cinema: The Dolly Sisters (1945): Filme biográfico sobre a vida das Irmãs Dolly em formato de musical de grande sucesso com um grande elenco. Dirigido por  Irving Cummings e produzido por George Jessel. No filme, Betty Grable  faz o papel de Jenny e June Haver de Rosie, conta a trajetória das irmãs rumo ao estrelado na Broadway! Abaixo Poster do filme, Betty e June em ação e o trailer para vocês ficarem ainda mais com vontade de assistir esse musical.

Betty Grable  e June Haver (1945)

Também indico o post sobre O Ziegfeld Follies Inajara Bow e também o meu!


ღ vintagepri on tumblr ღ